fbpx
loader image

Parque da Pedra Branca: memória e patrimônio do Sertão Carioca

Compartilhar

No Sertão Carioca, podemos ainda encontrar várias maravilhas naturais da Mata Atlântica e redutos de biodiversidade fluminense, como o Maciço da Pedra Branca, a restinga de Sernambetiba, a restinga de Itapeba, a restinga de Grumari, a lagoa de Jacarepaguá, a lagoa de Marapendi, a lagoa da Tijuca, os manguezais de Guaratiba e a Restinga da Marambaia.

O Maciço da Pedra Branca é a mais preservada de todas, por ter sido transformado em Parque Estadual em 1974 e contar com uma política de preservação relativamente bem-sucedida nas últimas décadas. O Parque é composto por uma cadeia montanhosa que engloba alguns (muitos!) bairros cariocas: de Jacarepaguá, Taquara, Camorim, Vargem Pequena, Vargem Grande, Recreio dos Bandeirantes, Padre Miguel, Bangu, Realengo, Sulacap, Campo Grande e Guaratiba (este último realiza o ponto de encontro do complexo com o mar).

Coberto por vegetação típica da Mata Atlântica (braúnas, cedros, jacarandás, jequitibás e ipês), o Parque da Pedra Branca ainda abriga uma enorme variedade de animais silvestres: cachorro-do-mato, preguiças, tamanduás-mirins, pacas, tatus, cotias, tucanos, gaviões, répteis e pássaros, muitos deles ameaçados de extinção.

Trata-se de um território repleto de memórias históricas, com sítios de interesse cultural à disposição do turista-visitante: antigos aquedutos, açudes, represas, casas de fazenda, senzalas e quilombos, construções seculares, as igrejas de São Gonçalo do Amarante e a Capela de Mont Serrat, e mesmo, fortificações do tempo do Império.

Apesar do avanço da cidade sobre a região, o Maciço da Pedra Branca ainda é o lar do remanescente “caboclo carioca”. São descendentes de escravos que fundaram comunidades na floresta – e, portanto, bem antes da sua conversão em reserva ambiental. São comunidades que vivem fundamentalmente da agricultura orgânica e que, aumentando a complexidade deste cenário, suscitam constantes conflitos entre os ecologistas defensores do patrimônio natural e os antropólogos defensores do patrimônio cultural.

Mesmo sendo quatro vezes maior do que o Parque da Tijuca, o Parque Estadual da Pedra Branca permaneceu desconhecido por décadas; apenas nos anos 2000 foi reconhecido como a maior unidade de reserva florestal em área urbana do mundo. E são, evidentemente, enormes os desafios para a manutenção de uma grande área natural no meio de uma região cosmopolita, assim como, garantir estudos a preservação das nascentes hídricas ali encontradas.

Para garantir que os objetivos de preservação sejam cumpridos, o Parque usufrui do status de Unidade de Conservação (UC) e conta, portanto, com uma Plano de Manejo oficial. O Plano de Manejo é um documento elaborado a partir de diversos estudos (do meio físico, biológico e social) e estabelece as normas, as restrições para o uso, as ações a serem desenvolvidas no manejo dos recursos naturais da UC e seu entorno.

Mais para explorar

Ensino Fundamental 2

InterAlfa 2024 – 1ª Edição

No último 11 de junho, as dependências do Clube de Aeronáutica foram palco da 1ª edição do InterAlfa 2024, uma emocionante competição esportiva que reune

Ensino Médio

Rede Alfa CEM Bilíngue Brilha no ENEM 2023

🌟🎓 Rede Alfa CEM Bilíngue brilha no ENEM 2023! 🌟🎓 Estamos extremamente orgulhosos em compartilhar os resultados incríveis do ENEM 2023, onde a Rede Alfa